ARROZ CREMOSO E EU, O CACTUS E O CACHORRO


O arroz cremoso surgiu nesse ponto: um arroz `a grega muito honesto e uma sopa de batata doce poderosa. Tudo vindo de fora, de lugares amigos. Não tem maionese, não tem carne, nem aditivos. Mas ficou o máximo. Juro que não era a fome! Uma sopa divina de batata doce da Mestre Cuco, eu não sei fazer igual e acho uma das melhores aquisições que conheci por aqui e agora descobri que faz um risoto espetacular. Misturei a sopa no arroz pronto, uma colher, duas...até sentir a cremosidade. Deixei apurar os sabores delicados e pronto. Mais fácil que a receita da televisão, muito mais saudável tambem. Parece que virou uma febre, arroz cremoso com maionese, molho de tomate, como se fosse a descoberta do século. Quem faz aproveitamentos em casa sabe: arroz de véspera vira arroz de forno, risoto, bolinho... O meu arroz cremoso pode ficar purinho ou com um pouco de ervilha refogada com alho, dá um up a mais. É um mantra: o que tem a gente aproveita.


A ilustração acima diz tudo. O modo como a gente encara a vida nos conduz a aventuras que podem ser incriveis ou desastrosas. Treinar esse olhar é a nossa meta. Todo mundo que se muda de casa, planejando ou não, tem que ter em mente que é necessário se dar um tempo para adaptação, para perceber o novo lar e recriar seu modo de vida em novas condições. Na minha profissão isso tem um sentido enorme. A cada mudança eu aprendo mais sobre os espaços, testo em mim e aproveito as lições. Somos tres seres sensíveis; eu, o cactus e o cachorro. Nos ajustamos `as mudanças conforme podemos, com algumas sequelas naturalmente, que ninguém é de ferro.
Quando precisei mudar de casa em um curto espaço de tempo apareceu uma oportunidade; uma amiga generosa me propôs ficar em um apartamento novinho, em troca de meus serviços de arquitetura, isso é escambo, no melhor sentido!
Os novos edificios com o minimo espaço interno e áreas sociais onde se tem de tudo tentam substituir `as vezes uma sala de estar, lavanderia, cozinha, clube, fitness, etc e tal. Mas quando a gente entra no recolhimento do ninho é que a vida acontece, e ela tem que ser com a maior dignidade possivel.
Esse período é rico de experiências e perfeito para estudar todas as minúcias dos pequenos espaços. Quem viu a minha última foto no instagram e meu cactus embalado para viagem, perguntou: pronta para mais uma aventura? 
A planta, o cão e eu, mais uma vez, estamos.
Namastê!

fotos de acervo, a ilustração eu vi no face, robertokroll/ ilustrador, créditos aqui


Comentários