CADEIRAS

 

De todos os produtos de bom desenho, o que eu mais gosto é a cadeira.
E um dos melhores presentes que eu ganhei esse ano foram cartões com os desenhos e projetos de cadeiras famosas, quase um origami, quem tiver paciência e habilidade pode fazer um modelo em 3D.
Eu não tenho nada disso, mas tenho bom olhar e ótimas intenções.
Deste super presente fiz dois quadros e minha sala ganhou mais cor e beleza.
namastê Alexandre!
A curiosidade é que de dos modelos que vieram nos cartões eu tive a alegria de conviver com praticamente todos em escala 1:1, menos a Red and Blue, esta só em miniatura, em compensação do mesmo designer eu tive a cadeira Zig Zag, uma obra de arte em 4 peças de madeira que também fez as honras de mesa de cabeceira.

Meu fascínio por cadeiras vai além da minha compreensão.
Tive peças maravilhosas e depois as troquei por outras, e assim sucessivamente.
Da primeira, a LC4 de Le Corbusier, que troquei por meu antigo piano até a última, a FLO, da Patrícia Urquiola, eu sempre mantive firme o espírito de troca; meus amigos que o digam, a maioria delas está em suas casas e eu continuo feliz com meus experimentos. Nunca colecionei, o que me sustenta é o prazer de manter por um tempo bem flexivel uma peça de bom desenho e ótima história que mobilia o espaço e o meu imaginário.





Red and blue, desenhada por Gerrit Thomas Rietveld em 1917, está no MOMA, fabricada sob licença pela coleção I Maestri da Cassina.
Hoje é vendida nos quatro cantos do mundo, algumas versões estão dentro do gabarito ( proporções originais ) algumas totalmente fora dele ( de arrepiar ); felizmente por estarem mais acessíveis e infelizmente por serem mal interpretadas por algumas fábricas de cópias, que não fazem justiça a quem se desdobrou em cima da prancheta para oferecer um produto tão especial há quase cem anos. Uma peça dessa natureza pode ser confortável ou nem tanto; mas cumpriu um propósito muito valioso numa época de escassez de matéria prima entre duas grandes guerras que devastou boa parte da humanidade. Pessoas como Rietveld, Le Corbusier, Charlotte Perriand, Marcel Breuer entre tantos se preocuparam em criar peças que pudessem ser tornar acessíveis, com materiais até então desprezados pelas indústrias e que faziam parte da estrutura ou de ornamentos; trabalharam por novos propósitos, criaram leveza, beleza, mobilidade e trouxeram luz a uma era.
Estas peças continuam atuais, girando com o mundo.

abre aspas:
Gerrit Thomas Rietveld / 1888 - 1964
arquiteto holandês e designer de produto
Ainda estudante, Rietveld trabalhava com marcenaria e produção de mobiliário.
Em 1917, influenciado pelo Neoplasticismo, desenha a Cadeira Vermelha e Azul. Ele próprio, a partir de 1919, quando recebe o diploma, passa a ser um membro importante do movimento, contribuindo para a revista De Stijl.
Em 1924 projetou a Residência Schröder, localizada em sua cidade natal - um marco da arquitetura moderna e representação perfeita das idéias e conceitos defendidos por De Stijl.
Também é autor da famosa cadeira zig-zag, composta por apenas 4 placas de madeira, projetada em 1932. Outras obras importantes de Rietveld são as "Row-Houses", também em Utrecht (1931-1934), o pavilhão holandês na Bienal de Veneza (1954), o pavilhão da escultura no Museu Kröller-Müller, em Otterloo, província de Guéldria, e o Museu Van Gogh em Amsterdam (1955).
fonte: wikipédia

Namastê!


Comentários