CARDÁPIO REVIGORANTE



Sugestão de um cardápio revigorante
Yara Achôa, iG São Paulo, 21/06/2011

Cardápio para reduzir o estresse e desintoxicar

Segundo a ayurveda, a alimentação equilibra a energia e traz bem-estar.
Para a Ayurveda existem cinco forças da natureza que se combinam dinamicamente para formar nosso organismo: éter (ou espaço), ar, fogo, água e terra.
A partir dessas forças são formados os perfis vata (mental – ar e espaço), kapha (emocional – terra e água), pitta (ação – fogo e água) ou uma combinação deles entre si (vata/pitta).
Seguindo os princípios da filosofia indiana, a dieta ayurvedica busca adequar os alimentos mais apropriados para cada tipo de constituição psicofísica.
Para compreender e praticar essa dieta, portanto, o primeiro passo é exercitar o autoconhecimento e reconhecer sua natureza.
A partir deste reconhecimento, a alimentação vai sendo modulada visando tanto a prevenção como o tratamento de doenças.

Tudo o que somos é o resultado da síntese dos alimentos físicos e/ou energéticos que ingerimos.
Cada refeição revela uma oportunidade de melhorar ou lesar a saúde, diz Marise Berg, terapeuta e culinarista ayurvedica.
E dentro da nutrição ayurvedica existe a dieta desintoxicante.

Ela pode durar de um dia a uma semana, no máximo, porque é restrita em alguns nutrientes.
Sua base são frutas, legumes e verduras, carboidratos, especiarias e líquidos, que têm a função de diminuir o estresse, dar um descanso ao sistema digestivo e repor as energias, diz Fabiana Branco Lara, terapeuta ayurvedica.

A dieta desintoxicante tende a regularizar e fortalecer a nossa potência digestiva chamada de Agni – o mais importante conceito da Ayurveda.
É necessário ter boa potência digestiva para ‘digerir a vida’ e não somente a comida e bebida, completa a terapeuta Marise Berg.

O cardápio é colorido, leve, variado, de fácil digestão e energizante, rico em alimentos frescos como frutas e verduras, além de feijões, cereais e especiarias.

O arroz integral tem papel de destaque na alimentação detox.
Ele é considerado o leite materno na Ayurveda.
Você pode fazer uma papa de arroz integral e incluir em sua alimentação por dois ou três dias para renovar a energia, aconselha Fabiana Lara.
Os temperos também são muito importantes.
Todo tempero é visto como medicamento, diz a especialista.
Mas ela reforça a ideia do autoconhecimento para acertar a mão nos condimentos.
Se você é uma pessoa que se irrita facilmente e adiciona pimenta em sua comida, vai ficar ainda mais irritada, mais sem paciência, exemplifica.

Uma dica é ter sempre à mão porções de temperos para polvilhar em seu prato, de acordo com seu estado físico e emocional.
Para a dieta de desintoxicação você poderá usar pimenta-do-reino (aumenta o ritmo do metabolismo), cominho (estimula o sistema digestivo), cúrcuma (melhora a imunidade), canela (ajuda o controle da pressão arterial e do colesterol), gengibre (antiinflamatório, reduz quadros de dores) e cardamomo (auxilia o trato gastrintestinal).

Na dieta desintoxicante ayurvedica a comida também deve ser servida sempre quentinha, para facilitar a digestão.
Observe se você está com fome ou com vontade de comer.
Uma medida adequada para ser ingerida corresponde à palma de suas duas mãos unidas, ensina Fabiana.
A recomendação nutricional tradicional de fazer lanches intermediários entre as principais refeições também é seguida na Ayurveda.

Em relação aos horários, procure almoçar entre meio-dia e duas da tarde e jantar até oito da noite - e pelo menos duas horas antes de dormir.
Importante: faça as refeições sem pressa e em ambiente calmo.
Feche os olhos na primeira garfada, sinta o sabor e a textura da comida; exercite o olfato.
Cultive esse momento de serenidade e perceba o universo que se abre diante de você, aconselha Fabiana Lara.

Confira a seguir sugestões para um cardápio desintoxicante de um dia, segundo a Ayurveda.
Não definimos as medidas para que você exercite a identificação da potência da própria fome.
Não é necessário ficar com fome durante a dieta, porque isso causa estresse ao organismo. Alimente-se bem, com moderação, explica Marise Berg.

Ao acordar
(20 minutos antes do café da manhã)
1 copo de água morna com gotas de limão.
Em seguida, faça a higiene matinal, pratique ioga ou meditação, limpe a língua com um raspador ou colher

Café da manhã
Mingau de aveia morno, preparado com água, água de rosas e cardamomo.
Se desejar, adicione 1 colher (chá) de ghee (tipo de manteiga clarificada, muito usada na culinária indiana)
Água de coco em temperatura ambiente

Lanche da manhã
Frutas levemente assadas ou cozidas com canela e/ou gengibre, cravo, erva-doce, lavanda, baunilha
Chá (gengibre, erva doce ou hortelã) com mel ou somente água morna com limão, à vontade

Almoço
Kichadi (receita tradicional indiana) ou arroz integral ou basmati
Verduras cozidas ou refogadas
Raízes
Leguminosas - quanto menor o grão, mais fácil a digestibilidade
1/2 copo de água

Após o almoço
Se possível, sente-se em um lugar confortável e repouse por 15 minutos (mas não durma)

Lanche da tarde
Torrada integral ou 1/2 pão integral torrado, com manteiga ou geléia de fruta sem açúcar
Chá (gengibre, erva-doce ou hortelã), à vontade

Jantar
Sopa de cenoura, vagem, mandioquinha ou fubá

Ceia
(se necessário)
Frutas cozidas ou assadas com especiarias


Temperos são considerados remédios para o corpo e para a alma na Ayurveda
Para variar o cardápio
Frutas: maçã, pêra, uva, mamão formosa (não papaia), abacaxi doce, carambola, goiaba, pêssego, figo, manga.
Devem ser levemente cozidas ou assadas.
Evite: melancia, melão, abacate, frutas ácidas e oleaginosas (amendoim, nozes e castanhas).
Legumes: chuchu, abóbora, aspargo, jiló, quiabo, vagem, cenoura, maxixe, rabanete, nabo, beterraba. Devem ser consumidos cozidos, assados ou refogados e temperados com especiarias. Evite: tomate, berinjela, pimentão, brócolis, couve-flor, repolho e batata inglesa.
Folhas verdes: agrião, acelga, chicória, espinafre, almeirão, mostarda, couve. Devem ser levemente cozidas ou refogadas em azeite ou ghee e temperadas com especiarias, azeite de oliva e limão.
Evite: folhas cruas e/ou refrigeradas
Raízes: inhame, bardana, mandioquinha, cará, mandioca (com moderação).
Leguminosas: feijão azuki, Moyashi, lentilhas, Mung Dal (prefira os grãos pequenos), temperadas com cominho, louro em folha ou pó, pimenta-do-reino ou assafétida.
Cereais: arroz integral ou arroz branco (cateto, agulhinha, Basmati), cevadinha, quinoa, amaranto, milho verde, fubá, farelo de trigo, gérmen de trigo, farinha de centeio, farinha e farelo de aveia, farinha de mandioca, macarrão integral, bifum (macarrão de arroz), flocos de arroz, sementes de girassol e abóbora.
Evite: pão branco e farinha branca refinada.
Especiarias: açafrão, ajwain (sementes de aipo), alecrim, anis, assafétida, cardamomo, coentro em folha ou semente, cominho, curry (folhas), endro (dill), erva-doce, gengibre em pó, hortelã, louro, manjericão, manjerona, mostarda, orégano, pimenta-do-reino (pequena quantidade), pimenta rosa, salsa, sálvia, semente de papoula, tomilho.
Alho e cebola podem ser consumidos com moderação, sempre cozidos.

LEIA MATERIA COMPLETA AQUI
Marise Berg AQUI
Marise Berg e Fabiana Lara também atendem na Cítara

NOTINHAS
As sugestões desta matéria vem de pessoas conhecidas, a Marise e a Fabi, ambas são fontes de muita credibilidade para mim.
Concordo inteiramente com a Fabi, que diz logo abaixo, que o processo de autoconhecimenento é fundamental para seguir uma ou outra determinação alimentar.
Uma boa informação ajuda muito a gente a se conscientizar da necessidade de nos tratarmos bem, mas jamais substitui uma orientação profissional.
A gente precisa ter cuidado com o que ingere, e prestar muita atenção `as combinações dos temperos e especiarias.
Por exemplo: na minha orientação "geral" algumas pimentas seriam muito bem vindas, mas no meu particular elas devastam meu sistema digestivo, portanto, conhecer seus limites e se orientar bem é fundamental para o sucesso e o aprendizado de um novo caminhar.
A diferença entre o remédio e o veneno é a dosagem, não me lembro quem citou essa frase mas ela é muito pertinente.
Namastê!

as fotos são daqui mesmo, e as flores tambem,
observá-las é um exercício que faz bem para a alma.

.

Comentários

Kenia Bahr! disse…
Oi Silvia! Vc conhece a Bri. Maya Tiwari? Ela tem um livro que adoro, se chama 'O caminho da prática', em que ensina várias receitas vedas e outras muitas coisas lindas dessa vertente. Ela está no Brasil fazendo palestras e encontros em vários locais.

Bjs

Kenia
sylribeiro disse…
Oi, Kenia, nao conheço, mas a minha professora de yoga a conhece e já está ou vai fazer parte desse evento. Ela me disse que depois vai transmitir para a gente a sabedoria que aprender! legal ne.
Gostei da dica do livro, vou atras para conhecer melhor, obrigado viu, valeu, abraços!
Juliana disse…
Oi Sylvia! Pergunta sim para a sua professora o que ela achou. Eu tive a oportunidade de conhecer a Maya aqui no Rio e foi realmente incrível. Nunca estive perto de um swami como ela, então não sabia o que esperar. Que experiência. Energia, ensinamentos, lição de vida. É muito bom estar perto de alguém iluminado, que só te passa boas vibrações. Vc vai ver o Dalai Lama em Sp? Fiquei com vontade de ir tb. Ah, o livro que a Kenia falou é realmente muito bom, assim como os outros que ela escreveu. bjs
sylribeiro disse…
Legal! eu já estou conhecendo um pouco mais a Maya Tiwari, me emprestaram o livro, estou lendo bem devagar, e sinto muito amor naquelas paginas, estou adorando, agradeço muito a Kenia pelo toque e vc pelas suas palavras.
Não vou ver o Dalai Lama, pelo menos por enquanto não me dediquei a esse assunto, ainda as voltas com a mudança aqui, ando muito centrada nisso.
Mas quem sabe.
Abraços!!!