GHEE
















Desde que passei a usar o ghee eu o incorporei tão bem no dia a dia que ele se tornou parte de um sentimento familiar, como se sempre estivesse presente.
Um alimento com essa vibração traz uma energia muito auspiciosa em sua essência.
Ele praticamente vai bem com tudo, e sem exceder os limites da quantidade recomendada, sua ingestão é promoção de saúde e vitalidade.
A qualidade da produção influi diretamente na qualidade do alimento, nesses dias andei curiosa sobre a procedência das manteigas usadas para fazer o ghee, se elas deveriam ser orgânicas ou se o processo de preparo do ghee já seria suficiente para eliminar os resíduos presentes no leite e nas manteigas industrializadas.
Me perguntei também porque é tão dificil encontrar o ghee nas prateleiras dos mercados.
Creio que muita gente faz em casa, talvez porisso seja raro de se encontrar por aí.

Conversando com a Flavinha, minha professora de yoga, descobri que fazer o ghee em casa não é tão complicado assim, a receita pede paciência, bom olho, bom ouvido e bons ingredientes.
Vi alguns videos, conversei com pessoas que fazem e percebi que entre quem sabe existem algumas dicas que podem fazer a diferença entre um ghee que vai te alimentar e promover a sua saúde e uma manteiga queimada.
A Flavia faz o ghee em casa, e me disse que para saber se chegou ao ponto certo, precisa pegar um algodãozinho, molhar a ponta com ghee e colocar proximo `a chama do fogão e ouvir.
Se fizer “estalinhos” ainda não está bom, se não tiver som algum, está pronto.
Tem que observar também o tom do produto, que está pronto quando tiver a aparência dourada como ouro derretido.



Sem ter os atributos de bons olhos e bons ouvidos, cheguei a conclusão que ainda é cedo para me aventurar nesse terreno, e além disso, as duas experiências de utilizar um ghee feito por terceiros, da GhiBrasil e da Yamuna, foram tão boas que adiei temporariamente a tentativa do preparo caseiro.
Com gente boa preparando o ghee com carinho e respeito, usufruir de um alimento nestas condições é uma honra.
Namastê!

Sobre o ghee e a qualidade da manteiga usada para sua confecção, eu conversei com a Daiane, do Sala de Ayurveda, e olha que legal o que ela me respondeu:
“Oi, Silvia, o ghee Yamuna é feito com manteiga de cultivo agroecológico: vacas criadas soltas em pastagens, integradas junto a uma dinâmica de produção de alimentos orgânicos, e com o minimo de drogas veterinárias, apenas as impostas por lei. O mais importante é que não é usado homonios para hiper-influenciar a produção de leite. Existe diferença sim, entre um e outro, principalmente no que se diz respeito a resíduos de drogas, mas no caso do ghee a maior parte é removida junto com a proteina no processo de purificação.”

Um ghee de vacas felizes!
Que pastam livremente numa área de produtos de cultivo orgâncio, taí a explicação de tanto sabor.

O ghee tem tantas indicações de uso, faz parte de um aprendizado a longo prazo, e o caminho destas descobertas traz gratas recompensas, porisso vou deixar abaixo links que tratam dessa sabedoria melhor que eu, e partilhar a maneira que eu me beneficio deste produto tão incrível.
Orientado pelas minhas amigas da ayurveda, faço da seguinte maneira:

- 01 colher de café bem rasa, antes das refeições, com um copo de água morna para hidratação, lubrificação do TGI e preparo para a digestão saudável.

- nos refogados, principalmente as verduras folhosas:
na frigideira, coloco uma colher de chá de ghee, adiciono alho picado, e deixo refogar, em seguida as ervas e especiarias, e depois ou cebola, ou damasco ou passas, depende do dia e da ocasião, e adiciono as folhas que já foram levemente escaldadas a parte.
Primeiro coloco em água fervente as folhas até elas mudarem de tonalidade, adiquirirem um verde mais intenso e brilhante, retiro e passo pela água fria para interromper o cozimento, e levo`a frigideira as folhas semi cozidas com o ghee temperado, dou algumas voltas com a colher de pau, até a verdura incorporar o ghee temperado e ficar brihante e macia.
Desligo e adiciono sal de rocha bem moidinho.
Não tem nada mais gostoso para acompanhar o arroz integral, os grãos, os cereais, completando uma refeição muito nutritiva e saborosa.

- no preparo dos ovos é uma combinação pra lá de boa.

Quando vou assar algum legume ou tubérculo, ou raizes, eu não uso o ghee, eu os unto com azeite e ervas.
Não refogo o arroz nem as leguminosas, os deixo cozinhar com ervas e especiarias depois do remolho, e só uso o azeite cru por cima, já no prato.
Para cada alimento eu uso uma gordura diferente, e mesmo assim, nunca ultrapasso o limite do bom senso.
Qual seria a quantidade recomendada?
Como eu uso outras gorduras também, o meu bom senso indica que o consumo deve girar em torno de uma colher de sopa, juntando todas elas.

O ghee aqui tem outras utilidades também, outro dia me queimei com uma assadeira, e ficou bem vermelho o local, usei ghee sobre a queimadura. No dia seguinte não tinha nem marca.
Fui picada por um pernilongo, e além de coçar muito, ficou irritado o local da picada, lá fui eu passar o ghee, e pronto.
Ainda não uso ghee como creme anti rugas, principalmente na área dos olhos, nem nos cabelos, porque para isso eu uso e amo o óleo de coco.
No rosto eu estou experimentando um óleo de gergelim com alcaçuz, que a Marise Berg preparou especialmente para mim, e mesmo no início do uso, já estou adorando.



DAIANE, DO SALA DE AYURVEDA CONTA SOBRE O GHEE

O ghee é a gordura derivada do leite após total remoção da água e de suas partes sólidas: a essência do leite, sua parte mais secreta.
Além de saboroso acompanhamento de pães e biscoitos, é um excelente óleo de cozinha, sendo indicado como um substituto saudável da manteiga e dos óleos pois apresenta ligações químicas estáveis entre suas moléculas, o que torna difícil a oxidação e a formação de radicais livres.
Além disso, é uma das gorduras que apresenta maior smoke point: 252 C ou seja, pode ser aquecido a temperaturas normais de cozimento sem alterar suas propriedades, como acontece quando um óleo vegetal é aquecido, tornando-se tóxico para o organismo.
Na Índia, o ghee é um produto de uso cotidiano, considerado sagrado e celebrado como símbolo de auspiciosidade, nutrição e cura sendo a gordura base da culinária indiana e importante remédio na Medicina Ayurvédica.
É utilizado em diversas formulações medicinais e como óleo para massagem.
Segundo a Ayurveda, o ghee estimula a produção de Ojas, base da imunidade e a essência de todos os tecidos do corpo, promovendo renovação física e mental; aumenta a inteligência, refina o intelecto e melhora a memória.
Para os praticantes de yoga, o ghee serve como lubrificante natural das articulações, auxiliando na flexibilidade para a prática dos ásanas (posturas).
Continue lendo e veja como se prepara o ghee em casa......




O GHEE do GHIBRASIL que foi o primeiro fornecedor que eu conheci, e que também faz um ghee fora de série, tem um site super bacana, dedicado ao assunto.

GHEE
O Ayurveda - medicina tradicional indiana - o considera uma Rasayana, um alimento que promove longevidade e rejuvenescimento.
Ghi (ghee) é tradicionalmente produzido ao aquecer manteiga fresca, sem sal e sem adição de nenhum produto químico e de boa qualidade até que ela se torne um líquido dourado e translúcido e com perfume característico.
Durante esse processo, a lactose coagulada e outros sólidos do leite são removidos, podendo então ser consumido por pessoas que tenham intolerância à lactose.
Após a filtragem das impurezas, transforma-se em um óleo puríssimo.
Graças a isso, o Ghi (ghee) suporta temperaturas superiores à da manteiga e de outros óleos sem criar toxinas.
Além de mais nutritivo, realça o sabor e aroma dos alimentos.
Ghee é um tônico fortalecedor e regenerador dos fluídos, aumentando sua mobilidade.
Mesmo sendo uma gordura saudável, deve ser consumido com moderação.
Como o Ghi (ghee) é mais saboroso que outros óleos, uma pequena quantidade é suficiente.

Ghi: Ouro para nosso corpo

Realça o sabor e aroma do alimento, aumenta a absorção dos nutrientes e pacifica os três doshas (Vata, Pitta e Kapha).
O Ayurveda recomenda dourar rapidamente no ghi (ghee) os temperos a serem utilizados na refeição, pois isto ajuda a transportar a porção solúvel de lipídeo dos temperos para as membranas celulares constituídas de lipídeos.
Por esta mesma razão, o Ayurveda usa o ghi (ghee) em várias fórmulas herbáceas, pois é um excelente condutor para as ervas. Funciona também como um conservante natural nesses produtos.
O azeite de oliva é famoso entre os nutricionistas ocidentais por ajudar a limpar os canais biliares e o fígado.
De acordo com a medicina Ayurvédica, o ghi (ghee) tem o mesmo efeito, mas em todos os srotas (canais e condutos do organismo).

Para que o alimento possa chegar às células e tecidos do nosso organismo, é necessária a ingestão equilibrada de gorduras de boa qualidade.
As gorduras são responsáveis pela distribuição do alimento no organismo.
A partir dos 50 anos de idade, quando o fluxo sanguíneo já não é mais tão eficiente, essa necessidade torna-se ainda maior.
Problemas como falta de memória, concentração e fadiga mental estão ligadas à má oxigenação e nutrição de partes do cérebro.
Nessa faixa etária torna-se essencial a ingestão de gorduras que auxiliem no transporte e distribuição do alimento.

Algumas dicas quanto ao seu consumo
1. pode substituir a manteiga, margarina e outros óleos em pratos doces, salgados, no pão, em tudo!
2. ingerir o dobro de mel para uma porção de Ghi (ghee), potencializa o fogo digestivo;
3. ingerir o dobro de Ghi (ghee) para uma porção de mel, nutre todos os tecidos do corpo;
4. Além de ingerido, pode ser usado na pele como óleo de massagem ou nas plantas dos pés, a fim de beneficiar sono tranqüilo.
5. Além de hidratar, é refrescante. Pode ser aplicado em queimaduras leves.
6. O consumo regular de Ghi (ghee) realça o brilho natural da pele.
7. Acrescente uma colher de chá de Ghi (ghee) em um copo de leite quente levemente adoçado antes de dormir, para auxiliar na recuperação do desgaste físico e mental. Ótimo para estudantes, profissionais ativos e idosos.
8. Usado pela culinária gourmet como finalizador de pratos em molhos, sautés, frituras (por suportar altas temperaturas não cria toxinas, nem altera o gosto dos alimentos).


A única pergunta sobre o ghee, que ainda não encontrei uma resposta clara foi:
O ghee tembém conserva o ácido laurico, aquele que está presente no óleo de coco e na manteiga e que aumenta nossas defesas imunitárias?
Ele pode substituir a manteiga ou deve ser um complemento junto com ela?
Essa é boa.

imagem do Ghee
GhiBrasil LINK
Sala de Ayurveda LINK
Marise Berg LINK
Flavia Maimoni LINK
Baby Krishna com ghee e vaca sagrada LINK
Baby Krishna and your mother Yasoda LINK
Baby Krishna the butter LINK
Ayurveda, do blog da Flavia LINK
Citara Saude LINK

.

Comentários

lindo seu blog

com várias dicas maravilhosas

li mta coisa e nesse feriado vou até tentar fazer o sorbet de cacau

bju pra vc e um ótimo fim de semana
http://qrolecionar.blogspot.com
sylribeiro disse…
que coincidencia! tambem vou fazer o sorbet, e pasmem, vou tentar fazer o ghee apesar de não me animar para essa empreitada, fiquei sem e minha reposição so deve chegar depois dos feriados, então, fogões`a obra pra nós, boa sorte e bon apetit!
super obrigado pela visita! abs