CASTANHAS E SEMENTES




Do Blog da Vera Falcão, o super "cozinha natureba":
Supervitamina de castanhas, uma delicia, eu vou fazer!!!

Ingredientes

uma xícara de castanha-do-brasil, deixadas de molho por 8 horas e coadas
4 xícaras de água de coco
uma CS de óleo de coco
uma CS de melado
uma banana média
uma CS de linhaça triturada
uma CS de sementes de gergelim branco

Como fazer
Bater todos os ingredientes no liquidifcador até que a mistura fique homogênea.
Rende 4 porções.

Do Blog da Pat Feldman, o super "crianças na cozinha"
Pecãs Crocantes, uma delicia, EU PROVEI!!!

Serve para receber os amigos em casa, como lanche para as crianças levarem para a escola, como um “mata-fome” no meio de um dia de trabalho e vai bem em qualquer festa.
Delícia!!!
Deixar as pecãs de molho antes de assar lentamente deixa seu sabor característico ainda mais acentuado e perfeito.
Deixá-las de molho também ativa suas enzimas, o que as torna ainda mais nutritivas

Ingredientes:
4 xícaras de nozes pecã, já fora da casca
2 colheres de chá de sal marinho (de preferência não refinado)
Água filtrada

Modo de preparo:
Misture as pecãs com o sal e junte água filtrada suficiente para cobri-las.
Deixe num local abrigado por pelo menos uma noite inteira até 24 horas (eu gostei de deixá-las dentro do forno desligado, assim ficam protegidas de eventuais poeiras também)
Escorra a água pela peneira e retorne para a assadeira, espalhando-as uniformemente e coloque no forno mínimo – se puder, no mínimo com a porta entreaberta – até que elas fiquem completamente secas e crocantes. Eu deixei durante a noite toda, com o forno no mínimo e a porta entreaberta.

Fica uma delícia para ser consumida morninha, mas com certeza você não deve compr 4 xícaras de uma vez se estiver sozinha, então guarde o restante num recipiente bem fechado.
Você pode preparar o mesmo crocante com nozes, amêndoas, amendoins, macadâmias, castanhas portuguesas, etc…



Posso comer sementes?
Pode, desde que mastigue muuuuuuito bem.

Quem me deu esta sentença foi a querida Celia Mara, em uma de nossas muitas consultas nutricionais, onde além de ser uma fera no assunto, é fera tambem na iridologia, e seus exames são tão sensacionais que parecem vidência, mas não são não, eles são fruto de muita ciência e estudos e uma grande sensibilidade em olhar o paciente com amor.
A iridologia para mim é um mistério, nao tenho conhecimento mas tenho confiança na prática segura da Célia Mara.
Num dos primeiros exames que fiz, há mais de doze anos, ela viu tendências no meu organismo que poderiam se formar aborrecimentos futuros, e viu tambem heranças paternas e maternas, da mãe eu trouxe um figado digamos, sensivel, e do pai trouxe um sistema circulatorio digamos, tambem sensivel. Seu trabalho sempre foi todo baseado na nutrição como prevenção e fizemos o que podemos para manter tudo funcionando a contento, e a vida melhorou depois de seguir de fato a sua sabedoria nutricional, e depois que a querida Maisa Misiara acrescentou os benefícios da ayurveda com a mais que amada homeopatia para cuidar desse ser do ar que sou.

Eu já fui uma devoradora de sementes sem entender a necessidade de mastigar direito tudo que se vai engolir, até que um belo dia me peguei com uma dorzinha ardida no abdomen, que meu medico Amadeu apalpou e viu, diverticulos, tendências `a sua formação que vieram de mim mesma.
O que fazer?
Tratar o tecido que forma o tubo ( maisa, celia mara, alimentação e nutrição ), buscar recuperar sua estrutura, e evitar tudo que possa ficar aprisionado em lugares vulneráveis.
As sementes inteiras tem quase que o papel principal neste cenário. Peles de grão de bico, semente e pele de tomates tambem ajudam muito.
Bem, então o lance é mastigar, mastigar, mastigar.... sumir com as peles indigestas, se possivel evitar sementes miúdas.

Foi então que passei a usar os leites vegetais, de castanha e outras sementes, e fiquei muito mais esperta: sempre que como sementes cruas, torradas, eu as como com muita paciência, quase com devoção, e isso me fez muito bem, pois de devoradora de sementes sem noção me transformei em degustadora.
muito chic.

Banido mesmo do prato só o gergelim e a linhaça, mas ainda assim os consumo em forma de leite ou muito bem triturados.
Na rua, nos restaurantes e padarias, haja paciência para perguntar: aqui tem gergelim? tem linhaça?
Parece que a gente está comentendo uma blasfêmia.
Mas é mil vezes melhor ser um pouco chato do que vivenciar isso estacionando dentro da gente.
Como diz minha mãe "pimenta nos olhos dos outros é refresco"



O fato de eu ser vegetariana já me colocou em cenas hilárias, e ter pequenas restrições me deram de presente algumas situações peculiares, que `as vezes me lembro e acho a maior graça.
Uma ocasião, no aniversário dos 90 anos da minha tia Jacy, tia da minha mãe e irmã da avó do violino, a familia se reuniu num restaurante super gostoso `a beira rio.
Na organização da saída, minha mãe se lembrou aflita: o que vc vai pedir? lá só tem peixe.
Ela queria que eu voltasse e fizesse uma marmita, para não passar fome.
Eu tirei essa boa idéia da sua cabeça rapidinho e seguimos viagem para esse rio.
Lá chegando, minha mãe comentou com suas primas que estava preocupada por que eu ia morrer de fome, como se fosse possivel isso, com aquele mundo de comidas do buffet.
Minha prima, muito, mas muito educada, me disse bem baixinho: fale com o chefe, "invente" que vc é doente, peça para ele fazer legumes....
Eu quase morri de rir, e depois comentei, não sou doente, sou vegetariana.
Fica tranquila que com o chefe eu me entendo.
E me entendi muito bem com ele, que preparou uma massa al dente integral super caprichada, com muitos brócolis, tomates sem pele, azeitonas pretas, com muito alho e amêndoas fatiadas, super capricho.
Creio que para ele foi uma obra prima, acostumado aos peixes, deixar outra arte culinária se manifestar, e para mim foi a glória, estava uma delicia.





Minha linda tia Jacy era uma pessoa que sorria com os olhos, muito marotos.
Ela tinha uma frase que virou sua marca: a vida é bela, a gente só precisa saber viver.
Quando penso nela me lembro de manacás.
Ela tambem cantarolava, muito bem.


Lá de trás daquele morro

Tem um pé de manacá...
Nóis vai casá e vai pra lá...
Ce qué?...



blog da Pat Feldman /
blog da Vera Falcão
lindissimas castanhas do pará ( do brasil ) DAQUI
iridologia AQUI
pimenta, perdi a fonte! desculpas
Manacá / Tarsila do Amaral



Comentários